3 de nov de 2011

As 10 coisas (boas) que só acontecem com o Botafogo

    A mistura entre superstição, destino e futebol é comum, vive presente no imaginário do torcedor. Na maioria das vezes, a análise fria, racional, passa longe das cadeiras de arquibancada e o menor erro (ou acerto) é maximizado até a rodada seguinte. Porém, para um clube em especial, essa relação supersticiosa, com vocação quase pessimista, virou até dito popular, repetido à exaustão quando o resultado desejado não chega. 'Há coisas que só acontecem com o Botafogo', diz a frase de autor desconhecido.

    Mas em 2011, o elenco botafoguense quer mudar o estigma de que nada dá certo. A boa campanha, com a terceira colocação no Campeonato Brasileiro e chances reais de brigar pelo título, fizeram com que os jogadores aos poucos fossem rejeitando os lugares-comuns e derrubando mitos, como de a equipe não conseguir atrair seu torcedor para o Engenhão. Atualmente o Botafogo tem a 5ª melhor média de público do torneio nacional.

    “A gente sabe que aqui no Botafogo tem muita superstição, mas sabe também que nós jogadores acreditamos muito no trabalho. Já quebramos muitas coisas que diziam, como que a gente não ia bem no Engenhão, que vencia pouco aqui. Estamos focados no título. Se ganharmos, vai ser bom para provar para muitas pessoas, mas sabemos que estamos fazendo um trabalho bom”, disse o goleiro Jefferson.

    Na tentativa de mudar o hábito, até o presidente do Botafogo, Maurício Assumpção, refuta a tradicional frase e destaca o cenário favorável para a equipe carioca, que dois anos atrás, lutava contra o rebaixamento no Brasileirão.

    “Para ser sincero eu nem uso essa frase, de que há coisas que só acontecem ao Botafogo. Não é o tipo de pensamento que vejo, pois também acontecem com outras equipes e não são faladas. Mas se eu disser que há algo orquestrado, vão falar que é chororô. Então, só posso dizer que a gente só tem motivo para estar fervendo, com vontade de vencer”, disse Assumpção.

    Após a vitória de 1 a 0 sobre o Cruzeiro, no último sábado, o lateral-direito Alessandro até mudou a visão pessimista da célebre frase. “A gente sabe que existe essa superstição aqui, de que tem coisas que só acontecem com o Botafogo, mas pode acontecer de ser campeão também”, declarou o jogador do time de General Severiano.

    Inspirado no bom momento da equipe no Brasileiro, o iG fez uma lista com 10 coisas boas que só acontecem com o Botafogo e permitem que o time de General Severiano sonhe com o título. Veja na lista abaixo:

1 – Eliminações precoces ajudam em arrancada
Quando o Botafogo foi eliminado da Copa do Brasil nas oitavas de final, naquela fatídica partida contra o Avaí, e já estava desclassificado da fase final do Campeonato Carioca, alguns torcedores até ameaçaram jogadores e comissão técnica no aeroporto. Porém, as 'férias' forçadas ajudaram na construção do esquema do técnico Caio Júnior, que conseguiu implementar sua filosofia mais ofensiva no time.

2 – Contratações certeiras
Talvez nem o mais otimista dos botafoguense esperasse que Cortês, Elkeson e Renato entrassem tão bem na equipe. O trio, que chegou durante a temporada, caiu como uma luva no esquema do técnico Caio Júnior. Renato confirmou todas as expectativas positivas, enquanto Cortês e Elkeson surpreenderam, chegando à seleção brasileira.

3 – Livre das lesões graves
Em 2010, um dos grandes problemas do Botafogo, que lutou até a última rodada, mas acabou sem a vaga à Libertadores, foram as contusões graves de Fábio Ferreira e Maicosuel, que romperam o ligamento cruzado do joelho. Neste ano, sem nenhuma lesão grave, a equipe pôde contar com a base titular durante praticamente todo o campeonato.

4 – Mudança de filosofia que deu certo
De time fechado, que jogava principalmente com bolas levantadas na área, o Botafogo se tornou uma das equipes com o estilo de jogo mais bonito deste Campeonato Brasileiro. Tudo isso na mesma temporada. O Botafogo frágil, que apenas se defendia, ficou no passado. E o torcedor aprovou.

5 – Artilheiro decadente vira ídolo
Quando chegou ao Botafogo, aos 33 anos, Loco Abreu era uma aposta da diretoria, que tentava um nome de impacto para recomeçar a montagem de um time. O último clube do uruguaio tinha visto uma passagem relâmpago. Pelo Aris, da Grécia, o atacante entrou em campo apenas nove vezes, marcando cinco gols. Mas Loco Abreu se encontrou no Botafogo e o Botafogo se encontrou em Loco Abreu. O casamento não poderia dar mais certo e o clube carioca se tornou o que Abreu mais defendeu e mais gols marcou.

6 – Arbitragem não prejudica campanha
Se muitos campeonatos ficam marcados por erros da arbitragem em partidas decisivas, o Botafogo não pode reclamar muito. Apesar de ter sido prejudicado esporadicamente, como na partida contra o Figueirense, no primeiro turno, os apitadores não foram um tormento na vida do clube. Diferente do que aconteceu na Copa do Brasil, quando um pênalti mal marcado eliminou o Botafogo.

7 – Engenhão vira trunfo
Arrendado pelo Botafogo em 2007, o Engenhão nunca tinha sido tão determinante para a campanha do clube como em 2011. Único palco do futebol carioca para os clássicos, graças ao fechamento do Maracanã para reformas visando a Copa do Mundo de 2014, o estádio fez com que o Botafogo jogasse mais em casa. E a campanha do Botafogo como mandante é quase perfeita, com 77% de aproveitamento dos pontos disputados. Além disso, o estádio rende dinheiro aos cofres do clube, sendo alugado para rivais e ganhando com patrocínios.

8 – Adversários pelo título vacilam
No final do primeiro turno, o Botafogo estava na quinta colocação, atrás de Corinthians, Flamengo, São Paulo e Vasco. Dessas equipes, apenas o Vasco tem um aproveitamento melhor que do Botafogo no segundo turno. Se o time do técnico Caio Júnior também caiu de rendimento, todos os adversários têm vacilado na briga pela primeira colocação, o que permitiu ao time ser líder por 'pontos perdidos' durante algumas rodadas.

9 – Problemas de Jobson longe de General Severiano
Em campo, o atacante Jobson já provou que pode ser decisivo para uma equipe. Porém, mesmo com o grande talento individual, o jogador novamente mostrou que sua presença em um elenco pode trazer mais danos que benefícios. As saídas conturbadas de Atlético-MG e Bahia deixaram claro que a opção por não contar com o atleta em 2011 foi acertada. Agora o clube aguarda que Jobson seja liberado da punição do CAS (Corte Arbitral do Esporte), para estudar como aproveitará o atleta.

10 – Finalmente um goleiro
Durante anos, o torcedor botafoguense conviveu com goleiros irregulares, que falhavam nos momentos decisivos. Porém, desde que voltou ao time carioca, no final de 2009, o goleiro Jefferson se transformou simplesmente no melhor arqueiro do país, tendo inclusive se tornado o titular da seleção brasileira com o técnico Mano Menezes.



Fonte: IG

Nenhum comentário:

Postar um comentário